É possível comer pão saudável? - Fermais

É possível comer pão saudável?

É possível comer pão de forma saudável. Existem diversos tipos de ingredientes que você pode encontrar para conseguir atingir este objetivo. Sem glúten e muito saudável para sua nutrição.

Fotos Pao, 330.000+ fotos de arquivo grátis de alta qualidade

Como é bom e gostoso comer um pão, né! E Imagina se ele for saudável para você: isso torna tudo ainda melhor. Quando o assunto é pão, uma das primeiras coisas que pode vir à tona é que o pão é um alimento de pouco valor nutricional; o pão tem glúten, o pão incha, o pão engorda, o pão não faz bem à saúde, entre tantas outras características negativas que acabam sendo propagadas por falta de informação. E com tantos ingredientes e tipos de feitio que existem no mercado, somos obrigados a concordar em parte que sim, o pão pode fazer mal para sua saúde.

Nós que vendemos fermento, eu principalmente, devo ser uma das pessoas que mais comem pão que conheço, pois para mim, não faz sentindo eu entender, vender e não consumir. Então escrevendo este texto penso nos pães que já consumi na vida, dos mais variados tipos, gostos, formatos, estilos e padrões.

Existem pães fantásticos, padeiros e cozinheiros amadores incríveis, indústrias de pães que cuidam de todos os detalhes, a ponto de que ao comermos um pão, muitas vezes além de alimentar, sentimos que tal alimento faz um “bem danado” pra alma.

O Surgimento do pão

Um dos primeiros registros do surgimento do pão data de 8.000 A.C., quando a civilização mesopotâmica começou a produzir pão sobretudo em função da experiência com o cultivo de cereais.

Já em 3.000 A.C. os egípcios desenvolveram o fermento, sendo o primeiro povo a consumir o pão fermentado. Foi mais ou menos nesta época que surgiram os primeiros moinhos de trigo.

Registros históricos de aproximadamente 2.000 A.C trazem ao conhecimento o fato de que em algumas civilizações haviam bodegas que serviam pão, cerveja e peixe frito aos moradores e viajantes. E de acordo com estes registros, as padarias começaram a surgir por volta de 250 A.C. na Grécia.

Com o passar dos anos o pão foi sendo produzido pelo mundo, sendo transformado de amada a odiado, de sagrado a profano, de saudável a um alimento sem valor nutritivo; maso fato é que ele acompanha a mesa de todo o desenvolvimento das civilizações desde a antiguidade até os tempos mais atuais.

Com a produção em larga escala, a fabricação dos ingredientes dos pães, se transformou num processo industrial. Esse fato é bom por ter criado um padrão e ruim, algumas vezes, por perder qualidade nutricional.

Mas como assim? Relaxa que vamos te explicar melhor sobre alguns fatores que influenciam diretamente na qualidade dos pães que chegam até a sua mesa:

Políticas Comerciais

Quando você produz em larga escala, naturalmente utilizam-se ingredientes em grande quantidade. Muita farinha, muito fermento, muitos pães… e assim as despesas também se tornam contas um pouco mais complexas. O comprador precisa ser bom negociador, procurar bem para encontrar produtos mais em conta, muitas vezes deparando-se com produtos similares que trazem o mesmo resultado para que haja uma redução nas despesas. Mesmo em produções menores, é necessário encontrar o equilíbrio das operações. O que muda na maioria das vezes é só o volume monetário da conta.

Outra coisa que acontece muito no mundo da panificação é a disputa da fatia de mercado, a famosa concorrência. Dessa forma, muitos disputam o mesmo lugar no mercado, incentivando a redução de preços a fim de ganhar esta disputa.

Não se trata de concorrência desleal, e sim de uma concorrência normal de mercado. Não estamos falando de qualidade, mas de vendas. Para muitos, o que importa é só o produto final, e está tudo bem. Já para uns o que importa é que o produto final seja de qualidade. Entretanto, quem se importa com qualidade, pode acabar tendo que arcar com custos maiores de produção. E tudo bem também! Então, enquanto alguns produtores usam o que os ingredientes mais econômicos do mercado, outros optam por insumos de qualidade, transformando pães em verdadeiras delícias, mas, como mencionamos anteriormente, isso tem um preço.

Um fator que pesa muito na conta do pão, é a farinha de trigo. Além da farinha, o fermento de pão, também faz toda a diferença na qualidade e no custo do pão.

Farinha de trigo

Tipos de farinha de trigo: entenda as diferenças entre elas

O trigo é uma planta herbácea da família das gramíneas, ele é um cereal, grão, uma das plantas mais cultivadas no mundo. O início do seu cultivo data de cerca de 9.000 A.C, onde passou a ter uma importância extrema na alimentação e no desenvolvimento humano.

O trigo possui tipos e formatos diferentes. Na panificação utiliza-se mais o trigo comum, o Triticum vulgare. Já para massas geralmente usa-se o trigo duro. Portanto, nem toda farinha de trigo é igual.

A farinha de trigo é feita a partir da moagem do trigo, e o pó que se forma é a farinha. Escolher certo, ou melhor, escolher o tipo de farinha de trigo que melhor se adapta ao tipo de massa que se deseja fazer, é o que realmente fará diferença na qualidade do produto final. As farinhas também possuem numeração: quanto mais elevado o número da farinha, menor é a sua moagem, mais densa é a textura e mais nutrientes terá.

Uma farinha refinada é aquela que passa por mais processos, onde a casca é retirada antes da moagem, retirando o gérmen (que é rico em vitaminas, fibras e minerais). Já na farinha de trigo integral, a casca não é retirada, o grão é moído por inteiro, mesmo passando também pelo processo de industrialização. O problema então, é que quanto mais processada a farinha é, maior a perda de fibras e da qualidade nutricional como um todo. Por isso muitos produtores passam a utilizar melhoradores de farinha, uma prática muito comum no mercado que visa dar mais força à farinha de trigo ultra processada. Quanto mais fraca a farinha, mais melhorador se adiciona.

No seu início, a farinha de trigo era extremamente nutritiva. Mas hoje, não podemos falar assim de todas; basta fazer um pequeno teste: coma um pãozinho de trigo de manhã, e perceba o que acontece. Com certeza você não vai comer apenas um pão, pois apenas um não sacia. Você eleva seu índice glicêmico, você tem mais vontade de comer carboidratos, alguns pães podem dar azia, e diversos outros sintomas que podem acabar prejudicando a qualidade de vida. Um pãozinho aparentemente inofensivo pode trazer problemas diversos dependendo do tipo de organismo que o consome.

O problema não é o trigo em si, mas o seu processamento durante as etapas da industrialização.

Pessoas que possuem intolerância ou alergia ao glúten, precisam remover por completo da sua alimentação a farinha de trigo.

Para uma pessoa saudável que não possui alergia ou intolerância ao glúten, a farinha de trigo pode ser consumida, desde que com moderação e de preferência através de opções de qualidade.

Sugestão de troca, usar um mix de farinha sem glúten

É possível substituir a farinha de trigo por outras farinhas. Alguns tipos de farinhas que você pode substituir:

  • De Aveia
  • De Linhaça 
  • De arroz
  • De amêndoas
  • Sogro
  • Chia
  • Quinoa 
  • Algumas a base de leguminosas
  • E outras a base de frutas.

Nós do Fermento Fermais, também criamos o um mix de farinha sem glúten, para ajudar nossas clientes a continuar comendo pão de forma saudável.

Nosso Mix é formado por: 

  1. Farinha de Arroz;
  2. Fécula de Mandioca;
  3. Fécula de Batata
  4. Goma Xantana

A seguir explicamos um pouco melhor sobre cada um desses ingredientes:

A Farinha de Arroz é uma das principais alternativas para quem quer fazer pães e não usar a farinha de trigo.

Rica em zinco, fantástico para aumento da imunidade, principalmente agora, em época de surto de doenças, quanto melhor estiver a sua imunidade, melhor será a sua saúde.

É rica em vitaminas, melhora o sono e não tem glúten.

Resultado de imagem para substituir farinha de trigo

A Fécula de Mandioca é rica em cálcio, ferro e vitamina K, fundamentais para a proteção e desenvolvimento dos ossos.

Fécula de mandioca é fonte de fibras, cálcio, ferro, antioxidantes e diversos nutrientes importantes, sendo indicada para substituir a farinha de trigo em determinadas receitas

A Fécula de Batata possui amido, que aumenta a hipertrofia do cólon, o que significa que traz uma melhora os músculos do intestino, fazendo com que ele trabalhe mais, não deixando toxinas paradas na circulação.

Dizem que o intestino é o nosso segundo cérebro, imagina deixá-lo enfezado.

Para que Serve Fécula de Batata?

A Goma Xantana é usada para melhora a textura, sabor, consistência, aparência e prazo de validade dos produtos.

Em alimentos sem glúten, ela ajuda a dar a liga, deixando a textura mais úmida e auxiliando na substituição do glúten, pois é o glúten que deixa a massa elástica e faz crescer.

https://www.vogler.com.br/wp-content/uploads/2020/09/goma_xantana-1-1024x692.jpg

Caso queira experimentar os benefícios do nosso Mix de Farinhas sem Glúten para Pães, você pode adquirir de diversas formas:

Comente com o facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como podemos te ajudar?